Pages

segunda-feira, junho 04, 2012

Statu variabilis





Que há ciclos para tudo, todos sabem.

Que eu aprecio compartimentar aspectos da vida, os mais chegados também sabem.

Creio que com meu "encerrar" o Germinando [não deletei, fechei], ficou um nicho pairando sem casa, aquele aonde falar de mim sem buscar nada além do poder falar de mim, de como penso e me penso, como vejo o mundo, como o mundo me acontece.

Virgo Sum vai mudar nesse sentido.
Vou discorrer de tudo isso e mais do que eu entenda como sagrado.

Quando vamos contando anos não apenas eles passaram, mas após os 40 sinto que veio com eles um não desejar mais pelejar, esforçar-me em vão.

Não me entenda então o mundo como desejando me ver livre dele, mas sim como desejar este meu ciclo num patamar aonde qualquer esforço deve fazer por merecer.

Ando assim, sem dispender mais energia para com situações ou pessoas que se mostram "difíceis" para acontecer.
Se for para ser que tudo seja, senão, fico aqui apenas observando as danças das cadeiras, e analisando os novos ocupantes.

Creio que isso tenha a ver com o peso que dei e dou às coisas.

Longe de mim desmerecer o valor que cada um carrega em si, mas mudei o valor que eu dava ao esforço que se ocorria em manter pessoas por perto, em manter amizades vivas.
Creio que coisas assim ou nascem e crescem por sua natureza benévola ou não.

Se você se descobre tendo que fazer muito esforço, percorrer muitas rotas, é sinal de que algo não anda bem.

Não é cansaço de pessoas, mas sim das dinâmicas que as envolvem, não cansei de pessoas, cansei do que elas não fazem.

Uma das coisas nas quais em me percebi temerosa foi a dupla magia/tarot.
Muitas vezes elas atraiam pretensas amizades que no final das contas se nutriam disso, e não da amizade.
Ou seja, enquanto eu útil como magia/tarot tudo ia bem...
E algo do qual não desejo cansar é da minha magia e do meu tarot.

Gosto das coisas sólidas, todas, amizades, amores, casas, pessoas, desejos...
Daquelas que se mostram tênues eu decidi não mais apostar nada nelas.

Afinal a maturidade não deve vir em vão.

Bem-vindos ao meu novo mundo.

Sempre grata,

Luciana Onofre



3 comentários:

  1. ‎Luciana Onofre vai ver é a idade porque também estou com os mesmos sentires que você. Ultimamente os processos que me exigem esforço demais me cansam, e eu to simplesmente deixando que morram por si, se depois de algumas tentativas não dão em nada. Hoje mesmo eu falei aqui em casa que to cansada de arrastar pessoas (sou professora, imagine!!!). Acredito no mesmo que você: concentrar nossas energias no que realmente vale a pena e nunca, jamais, dessacralizar o conhecimento, ainda mais o mágico. Beijão

    ResponderExcluir
  2. A questão é que vamos ficando mais velhas e vamos dando importância ao que realmente faz sentido em nossas vidas. O nome disso é sabedoria!

    ResponderExcluir
  3. Vocês compreenderam em exato o que sinto e penso!

    Estou nesse estágio mesmo, de deixar morrer as coisas por inanição.

    Não por maldade, apenas por dar o peso verdadeiro a tudo.

    Sempre bem-vindas!!!

    ResponderExcluir

Deixe suas palavras



Textos e imagens aqui elencadas e publicadas refletem minha crença, minhas opiniões. Assim peço sejam respeitados como tal. Lembremos que incorrer em desrespeito público para com assuntos desta índole pode derivar em ações legais.

Luciana Onofre

Share |

)O(

“La Diosa que hay en mi, contempla a la Diosa que hay en ti”