Pages

segunda-feira, abril 19, 2010

Da Segunda Vermelha / Lunes Rojo



A querida Sabrina Alves do Clã dos Ciclos Sagrados, promove este ano novamente a "Segunda Vermelha".
Republico aqui minha experiência do ano passado, por ser este meu blog, "novato" no mundo do Feminino Divino.
Pretendo repetir este ano, dia 3 de maio essa vivência.


O dia vermelho


Como foi minha segunda vermelha?
Muito significativa em todos os sentidos.

 

Primeiro devo esclarecer como entendo esta data.
Sou uma fêmea feminista que não vê a menstruação como ápice da feminilidade, a vejo e entendo como parte de um todo sagrado, a mulher. Como indicativo de inícios e fins. A vejo como um momento de passagem que carece muitas vezes de explicações e entendimento.
No outrora não distante eu encarava apenas como um instante no mês. Hoje graças a trocas de pensares e sentires com Iony e Danielle Salles, vejo as coisas de forma mais significativa. No entanto não posso dizer que encare como algo sublime, ápice, como já citei.

A menarca pauta o fim da vida infantil e o começo da etapa longa e fértil no dia-a-dia da fêmea, e isso deveria ser apreendido como algo natural, limpo (em contra mão ao aspecto tosco que lhe regalou o machismo), saudável e claro (sem mistificações dúbias e aterrorizantes).
A menopausa é o outro lado dessa moeda, o fim do período fértil físico, porém em nenhum sentido finalizador de outras áreas profusamente férteis em nossas vidas. E isso também deveria ser amplamente ilustrado, contado, repassado.

Em suma, eu entendo meu sangue como sinalizador de etapas em meus dias. E meu sangue acompanha as lunações, de forma em que calculo meu período fértil pela Lua. Menstruo na Cheia...

Ontem foi especial, por ter me conectado a outras mulheres que neste dia sintonizaram suas energias e as senti de fato!
Eis então que decidi consultar meu oráculo de sempre, de todos meus sempres. E averiguar como entender certos ciclos que vivenciei com uma amizade. Não me assustei ou surpreendi com suas respostas, devo dizer sim, que me fez pensar e refletir. E sentir que de tudo advêm o lado A. Neste caso o amadurecer para quiçá depois retomar de onde ficamos.

O que enfatizo aqui, é que imbuída nessa sintonia feminina, com toda essa energia em ação, acessar o oráculo, me sentir Sibila, ser Sibila, foi algo extremamente forte e normal...

Esta segunda vermelha, então me mostrou que em sincronia, livremente acionada, a mulher pode se quiser, acessar o lado mais denso e profundo, que outros dias passa adormecido.

Celebrei assim, o poder que da união se expõe ao externo, da união entre fêmeas, distantes, e ao mesmo tempo aqui, presentes, palpáveis.
E conclui que este tipo de data-encontro deve ser algo que ultrapasse a anualidade, deve ser mais próximo, mais continuo na linha tempo. Por permitir que muitas de nós, sintam e reflitam sobre o poder.
Não o poder massacrante vendido pelo machismo-patriarcalismo, mas sim o poder maior, que é o de tomar as rédeas de si mesmas e do que nos cerca. O poder de redescobrir em cada uma, um universo infinito de releituras sobre cada uma, de poder deixar vir à tona essa capacidade de ser 'uma metamorfose ambulante' sendo feliz com isso.

Vermelho é vida, seja no útero, nas artérias ou nas veias, nas vestes, nas mentes, é vida, e a vida requer movimento, requer ações, requer ser FELIZ!

Luciana

3 comentários:

  1. Oi, Luciana!

    Que bom que você gostou do blog. Também curti o seu. Curioso que semana passada submeti um artigo que escrevi junto com outras duas amigas, fazendo um paralelo sobre a intolerância derivada do mito da feiticeira com a concepção da loucura. Submeti a uma revista que trata de estudos sobre feminismo e religão. Chama-se Revista MAndrágora. Acho que pode te interessar...

    Abraços,

    Natália

    ResponderExcluir
  2. Creio plenamente em sincronias, nenhum encontro é ao acaso!

    Claro que fiquei curiosa em saber do artigo!

    Um abraço,

    Luciana

    ResponderExcluir
  3. Cara Luciana,

    Meu artigo ainda está sobre apreciação. Espero que seja publicado. Mas você pode conferir a revista neste site...

    https://www.metodista.br/revistas/revistas-metodista/index.php/MA/index

    Beijo,

    Natália

    ResponderExcluir

Deixe suas palavras



Textos e imagens aqui elencadas e publicadas refletem minha crença, minhas opiniões. Assim peço sejam respeitados como tal. Lembremos que incorrer em desrespeito público para com assuntos desta índole pode derivar em ações legais.

Luciana Onofre

Share |

)O(

“La Diosa que hay en mi, contempla a la Diosa que hay en ti”